NÓS, ARTISTAS

onda#15
A segunda parte da trilogia que investigará o que é o artista, a ONDA#15 abre o estúdio para artistas de todas as modalidades com diversas experiências.
A dinâmica do open mic, comum em clubes de comédia que abrem seu palco para iniciantes, busca refletir criticamente a criação artística e as diferentes formas de reconhecimento. Se reconhecer como artista é o suficiente?

EDITORIAL

Inspirados pelo livro O QUE É UM ARTISTA?, da autora Sarah Thornton, decidimos fazer uma trilogia de ONDAs (#14, #15 e #16) a fim de refletir a questão do ARTISTA.
Em cada ONDA um olhar sobre o artista. Para isso, partiremos de três olhares diferentes em cada uma das ONDAs.
Na ONDA#14 – EU, ARTISTA, convidamos a performer Luanna Jimenes para desenvolver sua nova performance. Afirmando nossa confiança em seu trabalho, ela convidou artistas africanos como Edo Amassize, Shambuyi Wetu e Graça ‘Doneta para se apresentar.
Agora, na ONDA#15 – NÓS, ARTISTAS queremos refletir sobre nós, que nos consideramos artistas. Que acreditamos que o que fazemos é arte. Renomados ou anônimos, entraremos no ATRAVES\\ pelo período de 4 dias. O ATRAVES\\ fará um open mic, em que artistas de diferentes técnicas, conhecimentos, idades, raças e estilos, entrarão no nosso espaço e desenvolverão uma peça, um processo criativo. Queremos refletir se todos que se envolvem com arte são artistas.
Ao final da trilogia, esperamos fechar o ano inspirando as pessoas e incentivando o desenvolvimentos dos processos criativos e a produzir a sua arte. A produção da arte é necessária e urgente. Quanto mais arte, mais amor e mais mentes abertas na sociedade.
Mas afinal, quem faz a arte senão o artista? E o artista é quem se reconhece como tal ou quem é validado por terceiros?

[topo]

PATRICIA CELANTI

A bailarina neoclássica Patricia Celanti apresentou um pouco do seu talento com a dança, em três apresentações que passaram pelo clássico ao contemporâneo. Ao se apresentar no ATRAVES\\, a bailarina achou difícil ter um ponto de referência dentro do estúdio branco e sem cenário, então teve uma dose a mais de controle do corpo.

“Me reconheci como artista aos 3 anos de idade quando vi os braços de uma professora de ballet, entendi a força que existia por trás daquilo e decidi seguir esse caminho.”

[topo]

FERNANDA PEREZ E LUIS DALTRO

A performance realizada pela atriz Fernanda Perez e pelo músico Luís Daltro envolveu expressão corporal, poesia e música. Eles são vizinhos de apartamento, o que facilitou o encontro e o ensaio da apresentação.

“Trabalho diariamente com teatro desde 1994. Me dedico as artes cênicas em diferentes projetos e diferentes processos criativos. A arte é o meu dia a dia, meu cotidiano.” – Fernanda Perez

“Nossa apresentação demandou muito ensaio. Ela tem mais facilidade com decorar as falas por ser atriz, mas para mim é bem pouco natural.” – Luis Daltro

[topo]

GUILHERME GODOY

O videomaker e multiartista Guilherme Godoy utilizou a técnica de lightpainting para fotografar e criar retratos de seus convidados.

“Eu me reconheço como produtor de arte desde quando eu realizei as primeiras filmagens de família e foram reconhecidas como diferentes, fora do padrão. Meu processo criativo depende do local onde estou, alterando o modo como eu crio. Estando presente, observo o que tenho a disposição e produzo a minha arte”

[topo]

DANIEL ELIAS

O artista circense Daniel Elias apresentou sua arte usando um mastro dentro do nosso estúdio.

“Sou um artista de circo. Tem gente que já nasce sendo artista, o que não foi meu caso, mas em algum momento da minha vida a arte me pegou. Sempre gostei de artes cênicas. Achei que o circo era um caminho para fazer o teatro, mas o trabalho do corpo acrobático foi o que me fascinou.”

[topo]

INSTITUTO OLGA KOS

O Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural, representado por Márcia de Carvalho, realizou um trabalho envolvendo fotografia, impressão e intervenção com tintas com participação de cinco alunos do instituto. A proposta é de expandir a possibilidade de expressão artística para todos.

“Nos últimos 15 anos me voltei para a arte inclusiva, encontrando um público que tem pouco contato com a arte. Quero levar a arte para todas as pessoas, transformando-as. Se todo mundo fizesse mais arte, viveríamos em um mundo melhor.” – Márcia de Carvalho

[topo]

ZANELLA E ADACHI

O artista visual Alberto Zanella e o músico Mauricio Adachi configuraram uma vídeo-instalação conjugando, ao vivo, projeção e música. Foi o primeiro encontro entre esses artistas que já se admiravam e prometeram dar continuidade na parceria dentro que surgiu aqui.

“Se considerar um artista é uma pretensão. Eu produzo conteúdo, gosto de expor dentro do que eu considero que é certo. Se produção de conteúdo, se eu disser que tudo o que eu expresso é arte, então eu sou um artista.” – Alberto Zanella

“Não me apresento como artista, mas sou um grande interessado pelo o mundo da arte em suas diversas manifestações e tive coragem de me envolver com esse mundo, de participar do jogo.” – Mauricio Adachi

[topo]

MILLENA ROSADO E CLARA COUTINHO

A fotógrafa Millena Rosado e a artista plástica Clara Coutinho se reuniram para criar uma série de retratos misturando técnicas diferentes como fotografia e pintura sobre vidro.

“Sempre tenho uma necessidade de estar fotografando. Esse sentimento me toma e não consigo passar muito tempo sem fotografar. Quando tenho uma ideia, quero torná-la real o mais rápido possível.” – Millena Rosado

“A arte é uma força super transformadora. Foi a forma que eu encontrei de me libertar e despir das minhas inseguranças e medos, estou em constante transformação. Deixando eu ser como eu realmente sou, me descobrindo.” – Clara Coutinho

[topo]

DOCUMENTAÇÃO

A documentação ficou por conta do COLETIVO MONDROBO, um grupo audiovisual independente de produção de curta-metragens fundado por ex-alunos de cursos como o É Nóis na Fita, Kinoforum e Cine Inclusão. Eles foram os responsáveis pela captação de todos os artistas que se apresentaram durante a ONDA.

“Nos conhecemos em oficinas de audiovisual, formamos um coletivo e hoje já contamos com seis pessoas, cada um atuando em sua área específica.”

[topo]

ARTISTAS e COLABORADORES

[topo]

RE-INPIRAÇÕES

[topo]