INSPIRAÇÃO
Movimento

onda#10
Felicidade é.. Plenitude. Satisfação. Equilíbrio. Umas horinhas de descuido. O propósito da vida. Algo breve. É tudo isso ou um misto disso tudo.
E agora, existe uma resposta? E agora, existe um caminho? Para discutir esse estado de espírito que inspira a gente e a gente inspira, nesta onda iremos passar por 7 movimentos – fé, alegria, interesse, serenidade, orgulho, gratidão e amor, – buscando entender como esses conceitos alteram a nossa vida.
Tudo isso sob um olhar tríptico, onde a arte funciona com um disparador e une as três partes na busca de uma mudança.

Editorial

INSPIRAÇÃO é uma onda auspiciosa e ascendente fragmentada em 7 movimentos.
Cada movimento é um tríptico, senão, uma regra de 3.
Onde luz e sombra se entrecruzam,
se entrelaçam e alternam seu desequilíbrio em uma linha de mediação.
Cada movimento é o fragmento de uma mandala.
Sua construção está baseada no princípio.
O rastilho da pólvora que determina a explosão.
A ENERGIA é primordial.
O que pensar de um mundo definitivamente feliz?
Quem nos garantiria sua eficiência, sua exclusividade?
Fosse a vida uma onda, luz e sombra se alternariam num movimento espiral ascendente. Onde a possibilidade de mediação seria o distanciamento do ponto fixo, a terra.
MEDIAÇÃO é a probabilidade.
O que está em jogo aqui é um processo de negociação.
Os 7 movimentos da nossa INSPIRAÇÃO, se deslocam em camadas, FÉ, ALEGRIA, INTERESSE, SERENIDADE, ORGULHO, GRATIDÃO e AMOR, contudo, não fossem seus pares, objetos de tensão, CETICISMO, TRISTEZA, SEPARATISMO, CAOS, INVEJA, MÁGOA e INDIFERENÇA, seriam estáticos.
Seu deslocamento é ascendente.
Seu ponto fixo, linha de mediação: a ARTE.

[topo]

A Vigília

Começamos a nossa onda#10 – INSPIRAÇÃO: Movimento na madrugada do dia mundial da Felicidade com um exercício de meditação e introspecção guiado pelo fotógrafo, pesquisador e curador da onda, Adi Leite.

Iniciamos de peito aberto essa jornada de investigação sobre fé, alegria, interesse, serenidade, orgulho, gratidão e amor.

[topo]

Do Ceticismo à Fé

Nos primeiros três dias, lançamos nosso olhar sobre a fé. Numa pesquisa tríptica, começamos pelo sentimento oposto, o ceticismo.

O cineasta e jornalista haitiano PATRICK DIEUDONNE exibiu trechos de filmes e compartilhou de forma incansável suas experiências de vida, falando especialmente sobre empatia e a dificuldade das pessoas se entenderem e se ajudarem. Na sequência, OLIVIA YASSUDO e AMAURY SANTOS apresentaram soluções da arte e do design para melhorar o planeta.

Ao fim da nossa pesquisa sobre a fé, recebemos em nosso estúdio casais à espera de um filho que deixaram uma mensagem de presente e de esperança para o futuro bebê.

ACOMPANHE O ESTUDO TRÍPTICO DESTE MOVIMENTO:

I – CETICISMO – PATRICK DIEUDONNE

O cineasta e jornalista haitiano Patrick Dieudonne falou sobre suas visões de mundo e suas impressões como estrangeiro desde que chegou ao Brasil.

II – DESIGN.ART – OLIVIA E AMAURY

Olivia Yassudo e Amaury Santos vieram ao nosso estúdio plantar ideias, vontades e sentimento – além, claro, de plantas.
Os dois buscam repensar a nossa postura em relação ao uso dos produtos que causam danos ao planeta como uma atitude de esperança de vida.

III – FÉ – UMA MENSAGEM PARA O FUTURO

Casais à espera de um filho que deixaram uma mensagem de esperança para o futuro. Cinco futuros pais e mães gravaram um depoimento de presente o bebê que vai nascer.

[topo]

Da Tristeza à Alegria

Em nossa segunda pesquisa tríptica das emoções da onda #10, começamos nos debruçando sobre a tristeza. Recebemos em nosso estúdio o cantor e músico PIERO DAMIANI, que explorou devaneios musicais para construir uma versão da música “A Felicidade”, de Antonio Carlos Jobim e Vinicius de Moraes.

Buscando um olhar transformador sobre o tema, receberemos a arte culinária. O consultor gastronômico LUIZ AMÉRICO CAMARGO preparou um pão caseiro, símbolo de celebração.

E para finalizar nossa pesquisa, recebemos 13 pessoas que não se conheciam para compartilharem o pão feito por Luiz Américo, como um ato de alegria e diversão.

ACOMPANHE O ESTUDO TRÍPTICO DESTE MOVIMENTO:

I – TRISTEZA NÃO TEM FIM – PIERO DAMIANI

O cantor e músico Piero Damiani explorou devaneios musicais para construir uma versão da música “A Felicidade”, de Antonio Carlos Jobim e Vinicius de Moraes.

II – ARTE CULINÁRIA – LUIZ AMÉRICO CAMARGO

O consultor gastronômico Luiz Américo Camargo preparou um pão caseiro, símbolo de celebração.

III – ALEGRIA DE COMPARTILHAR

13 pessoas que não se conheciam compartilharam o pão feito por Luiz Américo, como um ato de alegria e diversão.

[topo]

Do Desprezo ao Interesse

Na pesquisa do desprezo ao interesse, recebemos em nosso estúdio o coletivo SP Invisível, que busca motivar as pessoas a terem um olhar mais humano pelas histórias das pessoas. Eles projetaram algumas das 600 fotos das pessoas retratadas pelo projeto e reproduziram nas paredes do nosso estúdio alguma dessas histórias dos invisíveis, que não passaram invisíveis para eles.

Buscando tecer, costurar e ligar pontos, nosso estudo chegou até a arte têxtil. Lais de Souza, do CLUBE DO BORDADO, e a tecelã EVA SOBAN, vieram ao nosso estúdio mostrar como o interesse pode ser tecido a partir de novas conexões.

Para finalizar a pesquisa dessa emoção, reunimos RENATA QUINTELLA, fundadora do instituto A Nossa Jornada, JOÃO MIGUEL, organizador da feira Polvo e ELIS PEDROSO, publicitária apaixonada por animais, para um debate sobre o tema.

ACOMPANHE O ESTUDO TRÍPTICO DESTE MOVIMENTO:

I – DESPREZO – SPinvisível

O coletivo SP invisível projetou e reproduziu nas paredes do nosso estúdio algumas das 600 histórias de pessoas invisíveis retratadas pelo projeto, que não passaram invisíveis para eles.

II – ARTE TÊXTIL – CLUBE DO BORDADO E EVA SOBAN

Buscando tecer, costurar e ligar pontos, Lais de Souza, do CLUBE DO BORDADO, e a tecelã EVA SOBAN, mostraram como o interesse pode ser tecido a partir de novas conexões.

III – INTERESSE PELO OUTRO – RENATA QUINTELLA, JOÃO MIGUEL E ELIS PEDROSO

Em um fórum que debateu o interesse pelo outro e pelos animais, reunimos Renata Quintella, fundadora do instituto A Nossa Jornada, João Miguel, organizador da feira de produtores independentes Polvo e Elis Pedroso, publicitária apaixonada por animais.

[topo]

Do Caos à Serenidade

Depois de estudarmos a fé, a alegria e o interesse, chegamos à pesquisa sobre a serenidade. Novamente de forma tríptica, começamos o estudo sobre essa emoção pela seu oposto, o caos. Recebemos em nosso estúdio o cineasta GIULIANO BARONE SAADE,  que exibiu seu filme “Ecos do Caos” e participou de um debate sobre o tema.

Entre o caos e serenidade, a professora e arteterapeuta SILVIA MENDES CORRÊA fez a pintura de uma mandala, uma representação geométrica que simboliza a dinâmica relação entre o homem e o universo e era usado como arte pelos antigos povos, servindo como um instrumento para a meditação.

Para finalizar nosso estudo, recebemos MARINA MÁRTIMS, que conduziu uma sessão de yoga massagem Ayurvédica, técnica que mistura yoga e massagem indiana na busca de um estado de serenidade e plenitude. 

ACOMPANHE O ESTUDO TRÍPTICO DESTE MOVIMENTO:

I – ECOS DO CAOS – GIULIANO BARONE SAADE

Giuliano Barone Saade exibiu seu filme “Ecos do Caos”, sobre a vida do músico erudito e a criação musical. O cineasta procura questionar se a criação vem do caos e por que seres humanos sentem a necessidade de criar e executar música.

II – ARTETERAPIA – SILVIA MENDES CORRÊA

A professora e arteterapeuta Silvia Mendes Corrêa fez a pintura de uma mandala, representação geométrica que simboliza a dinâmica relação entre o homem e o universo, servindo como um instrumento para a meditação.

III – YOGA E A BUSCA DA SERENIDADE – MARINA MÁRTIMS

A terapeuta e professora de yoga Marina Mártims conduziu uma sessão de yoga massagem Ayurvédica, técnica que mistura yoga e massagem indiana na busca de um estado de serenidade e plenitude.

[topo]

Da Inveja ao Orgulho

Nosso estudo sobre orgulho começou com uma pesquisa sobre haters e inveja. Para transformar essa emoção, reunimos duas duplas e um trio para uma declaração-homenagem  olho-no-olho sobre o orgulho que um sente pelo outro. Frente a frente, GEORGIA GUERRA-PEIXE e seu pai FERNANDO, ANDREA NAHSSEN e seu marido RICARDO ROJAS e os irmãos FELIPE, GUSTAVO e KARINA VAZ GUIMARÃES compartilharam intimidade, amor e muita emoção.

Para finalizar nossa pesquisa tríptica da inveja ao orgulho, recebemos três pessoas para falarem sobre o orgulho que sentem de si mesmo, mesmo sendo “fora dos padrões”.

Modelo plus size há 10 dez anos, ANDREA BOSCHIM falou sobre auto-orgulho e suas implicações em sua vida e carreira. “Negra, mulher e periférica”, a idealizadora do projeto AFROntará e estudante de relações públicas LEILA EVELYN falou sobre o orgulho que sente de si mesma, de sua cor e de suas origens. E, por fim, o comunicador GUSTAVO BONFIGLIOLI, que faz parte do Coletivo A Revolta da Lâmpada, falou sobre orgulho gay.

ACOMPANHE O ESTUDO TRÍPTICO DESTE MOVIMENTO:

I – HATERS E A INVEJA

Nossa fez uma pesquisada sobre haters e inveja, com episódios envolvendo políticos como Lula, Trump e Bolsonaro e a apresentadora Ana Hickmann.

II – ORGULHO DE VOCÊ

Para transformar essa emoção, reunimos duas duplas e um trio para uma declaração-homenagem olho-no-olho sobre o orgulho que um sente pelo outro. Frente a frente, GEORGIA GUERRA-PEIXE e seu pai FERNANDO, ANDREA NAHSSEN e seu marido RICARDO ROJAS e os irmãos FELIPE, GUSTAVO e KARINA VAZ GUIMARÃES compartilharam intimidade, amor e muita emoção.

III – ORGULHO DE MIM – ANDREA BOSCHIM, LEILA EVELYN E GUSTAVO BONFIGLIOLI

Três pessoas para falarem sobre o orgulho que sentem de si mesmos, mesmo sendo “fora dos padrões”: a modelo plus size Andrea Boschim falou sobre auto-orgulho e suas implicações em sua vida e carreira, a idealizadora do projeto AFROntará Leila Evelyns obre o orgulho de sua cor e de suas origens e o comunicador Gustavo Bonfiglioli, do Coletivo A Revolta da Lâmpada, sobre orgulho gay.

[topo]

Da Mágoa a Gratidão

Depois de estudarmos a fé, a alegria, o interesse, a serenidade e o orgulho, nossa pesquisa chegou ao estudo tríptico sobre a gratidão.

Começamos pelo oposto do sentimento, falando sobre mágoa. Recebemos a advogada e pesquisadora do NECrim, CLARISSE DE ALMEIDA, que contou alguns dos casos que acompanhou enquanto trabalhava na defensoria pública. Entre as histórias, o episódio de uma menina presa com dezoito anos, réu primária, moradora da periferia, que foi detida grávida e forçada a parir sua bebê algemada em um camburão da polícia.

Na sequência, buscando transformar essa emoção, a roteirista e autora do projeto Microrroteiros da Cidade, LAURA GUIMARÃES, produziu em nosso estúdio um microrroteiro sobre o tema gratidão.

Para finalizar o nosso estudo tríptico, o curador-convidado da onda #10 Inspiração:Movimento, ADI LEITE, promoveu um talk com convidados.

ACOMPANHE O ESTUDO TRÍPTICO DESTE MOVIMENTO:

I – HISTÓRIAS DE MÁGOA – CLARISSE DE ALMEIDA

A advogada Clarisse de Almeida contou algumas histórias de mágoa que acompanhou quando trabalhava na defensoria pública. O episódio mais marcante relembrado foi o de uma menina presa com 18 anos, réu primária, moradora da periferia, que foi detida grávida e forçada a parir sua bebê algemada em um camburão.

II – ARTE DE RUA – LAURA GUIMARÃES

A roteirista e autora do projeto Microrroteiros da Cidade, Laura Guimarães, produziu um microrroteiro sobre gratidão.

III – UM PAPO SOBRE GRATIDÃO – ADI LEITE

Reunimos alguns convidados para um talk show sobre gratidão promovido pelo curador-convidado da onda #10 Inspiração: Movimento, Adi Leite.

[topo]

Da Indiferença ao Amor

Nosso sétimo e último estudo tríptico foi sobre o AMOR. Iniciamos o estudo partindo do seu oposto: a indiferença. Em uma sessão de cinema, EXIBIMOS TRÊS VÍDEOS sobre o tema: “The World’s Oldest Mime”, onde um senhor fala sobre solidão, desinteresse e como vê a sua trajetória, “Life’s a Bitch”, que aborda o amor para preencher o vazio e “El Circulo”, que trata do amor próprio e da negligência familiar.

Na sequência, o cineasta e fotógrafo WILLY BIONDANI criou a instalação “528 Hz”. A obra faz referência à frequência musical que vibramos quando estamos apaixonados. Com um som a 528Hz, a sintonia do amor, dois convidados usando cintos imantados, percorreram as laterais da obra e se abraçaram no meio da instalação, mostrando a atração entre dois corpos.

Para encerrar nosso último movimento, convidamos a roteirista LAURA GUIMARÃES e a fotógrafa ROBERTA DABDAB para um bate-papo sobre o amor.

ACOMPANHE O ESTUDO TRÍPTICO DESTE MOVIMENTO:

I – IMAGENS DE INDIFERENÇA

Em uma sessão de cinema em nosso estúdio, exibimos os vídeos “The World’s Oldest Mime”, onde um senhor fala sobre solidão e desinteresse, “Life’s a Bitch”, que aborda o amor para preencher o vazio e “El Circulo”, que trata do amor próprio e da negligência familiar.

II – 528 Hz – WILLY BIONDANI

O cineasta e fotógrafo Willy Biondani criou uma instalação sobre o amor. A obra “528 Hz” faz referência à frequência musical que vibramos quando estamos apaixonados e mostra a atração entre dois corpos.

III – UM PAPO SOBRE O AMOR – LAURA GUIMARÃES & ROBERTA DABDAB

Reunimos as artistas Laura Guimarães e Roberta Dabdab em um bate-papo sobre o amor.

[topo]

Durante um pouco mais de um mês, contamos com a colaboração de cerca de 50 participantes em um mergulho investigativo sobre a felicidade. Ao final, a curadora do ATRAVES\\, Georgia Guerra-Peixe, Adi Leite – o curador convidado desta temporada, e o diretor Giuliano Saade criaram AO VIVO no estúdio um manifesto sobre o tema.

Leia o manifesto na íntegra aqui.

[topo]

Encerramento

Após pouco mais de um mês e cerca de 50 participantes, nossa investigação sobre a felicidade se encerrou com a exibição de “Rodopiam Galos Babilônicos – RGB”, uma narrativa experimental de luz e som para o conceito de felicidade desenvolvida pela artista Roberta Daddab.

[topo]

ARTISTAS e COLABORADORES

[topo]

RE-INPIRAÇÕES

[topo]