COLAB#05
RESILIÊNCIA ARTÍSTICA

GALERIA TATO + MITsp
A inquietação com relação à atual conjuntura política e social do Brasil perpassa todos os eixos da vida, constituindo uma zona de indistinção entre o público e o privado.
Através de movimentos conjuntos com a 4a Mostra Internacional de Teatro de São Paulo e a Galeria Tato, propomos a RESILIÊNCIA ARTÍSTICA como ferramenta para questionar este estado de exceção que se tornou regra.

1.Editorial

Nas próximas duas semanas, o ATRAVES\\ abre suas portas para discutir o tema Resiliência Artística em parceria com a Galeria Tato e a Mostra Internacional de Teatro de São Paulo.
Na primeira semana da colab#5 Resiliência Artística, nosso estúdio será utilizado pelo artista Iaco Viana, representado pela Galeria Tato. Ele e alguns colaboradores irão criar uma obra com o objetivo de questionar nosso atual momento político através da arte.
O artista está intensamente envolvido nas discussões atuais sobre arte em contextos urbanos, especialmente depois da polêmica com a recém empossada gestão da prefeitura.
Iaco foi protagonista um dos protestos mais emblemáticos feitos contra o prefeito Doria devido ao apagamento dos grafites da Avenida 23 de Maio, no final de janeiro. Sobre a tinta cinza deixada nos muros pela prefeitura, o artista escreveu 12 vezes o sobrenome do prefeito.
Iaco é um retrato da resiliência em diversos momentos, seja ao assumir a autoria das pichações que o fizeram ser “perseguido” pelo Deic-SP, ou pela escolha em não ficar em silêncio depois da repressão da prefeitura e da repercussão que o caso tomou na internet.
Na segunda semana, nosso estúdio será palco de ensaios da 4ª Mostra Internacional de Teatro de São Paulo (MITsp). O festival se liga a nós através de seus Manifestos Pandemia: 12 textos que condensam pensamentos e questionamentos estéticos, éticos e políticos. Por aqui, irão ensaiar um dos manifestos que será apresentado no Teatro Municipal no dia 14 de março.
Abrimos um espaço para que a arte seja utilizada como forma de exercitar a capacidade de se recobrar facilmente ou se adaptar à má sorte ou às mudanças, sejam elas políticas, sociais ou econômicas.
A Resiliência Artística desponta, então, como um momento para pensar a cidade e os diversos suportes artísticos num mundo onde arte não cabe mais apenas entre as quatro paredes de uma galeria. Ela está em todo lugar.

[topo]

1.IACO: Guerra do Cinza

O artista plástico e grafiteiro iaco Viana, envolvido recentemente em polêmica com o Deic-SP após pichar 12 vezes o sobrenome do prefeito nos muros da Avenida 23 de Maio, em São Paulo, criou em nosso estúdio a instalação “Guerra ao Cinza”, que busca questionar nosso atual momento político através da arte.

A obra, criada em parceria com os grafiteiros e pichadores Frasão Feik, Alex Kaleb Romano, Alexandre Urch, Enivo, Space Super, Fugas, Fab e Dalcin, propõe um diálogo sobre arte urbana, resiliência artística e a cidade.

Juntos, os artistas mostraram o poder da latinha e criaram um reflexo do espaço urbano paulistano.

[topo]

2.Galeria TATO

Além de participar na curadoria desta colab, a Galeria Tato também recebeu a arte_bike do Atraves\\ e sua tela que exibe ao vivo os nossos processos criativos. O local foi palco ainda de um debate com o artista iaco Viana e seus colaboradores sobre grafite, pixo e a arte de resistir em São Paulo.

O bate-papo reuniu artistas de diferentes épocas, promovendo um grande encontro de gerações. Entre os presentes, estava Júlio Barreto, pichador e grafiteiro dos anos 1970. Ele falou sobre as diferenças de processo em sua época e nos dias de hoje e pôs em debate a entrada da arte urbana nas galerias de arte e o recebimento ou não de dinheiro para grafitar. Outro tema discutido foi a origem do pixo e do grafite, que normalmente é associada aos anos 1960: os artistas reivindicam que a origem destas artes remonta às pinturas rupestres, datadas do período Paleolítico (cerca de 40 mil anos a.C.).

[topo]

3.MITsp

Através da parceria com a Mostra Internacional de Teatro de São Paulo nesta colab, recebemos em nosso estúdio a atriz e diretora Bete Coelho, que ensaiou a leitura do texto-manifesto “Quando as ruas queimam”, de Vladimir Safatle, que abriu as performances públicas da #MITsp em São Paulo.

[topo]

CURADORIA

ARTISTAS e COLABORADORES

Premium WordPress Themes Download
Premium WordPress Themes Download
Download Best WordPress Themes Free Download
Premium WordPress Themes Download
lynda course free download
download intex firmware
Free Download WordPress Themes
download udemy paid course for free