COLAB#11
SINAIS E ABSTRAÇÃO INFORMAL

MAM-SP + ATRAVES
A COLAB#11 marca mais um encontro entre o ATRAVES\\ e o MAM – São Paulo. Somos os responsáveis pelo registro das duas exposições que iniciam o ano do museu e que, juntas, fazem um panorama geral da arte abstrata brasileira.

EDITORIAL

Em parceria com o MAM – São Paulo, o ATRAVES\\ registra as duas exposições que abrem o ano de 2018 para o museu – “Sinais/Signals” e “Oito décadas de abstração informal”.
Ambas refletem as diversas facetas da arte abstrata no Brasil:
A mostra “Sinais/Signals” é um recorte da obra de Mira Schendel, artista polonesa fundamental no universo da arte moderna brasileira. Com curadoria de Paulo Venâncio Filho, a mostra teve a expografia realizada pela arquiteta Beatriz Falleiros, designer do MAM. O teaser fica por conta do diretor Tiago Lage, cineasta de formação com especialidade em fotografia e montagem.
Já a mostra “Oito décadas de abstração informal” é um panorama completo do estilo no Brasil em diversos períodos e marca o início da parceria entre o MAM – São Paulo e a Casa Roberto Marinho. A curadoria foi realizada pelos curadores Felipe Chaimovich e Lauro Cavalcanti. Bruno Pinheiro, diretor recém formado em cinema pela FAAP, é o responsável pelo teaser.
Conheça mais das diversas manifestações da arte abstrata brasileira, visite o MAM até o dia 22 de Abril!

[topo]

AS EXPOSIÇÕES

A abertura de ambas as exposições – “Oito décadas de abstração informal” e “Sinais/Signals” – aconteceu no dia 16 de janeiro, no MAM – São Paulo. Na ocasião, conversamos com os curadores Lauro Cavalcanti e Felipe Chaimovich, responsáveis pela seleção de obras do acervo do Instituto Casa Roberto Marinho e do MAM – São Paulo, respectivamente. Eles falaram sobre a importância em revisitar a produção abstrata informal brasileira.

Encontramos também com Paulo Venâncio Filho, o curador da mostra Sinais/Signals, seleção de obras da artista Mira Schendel que apresenta a natureza singular da obra gráfica da artista em diferentes suportes. Ele falou sobre a ideia de não realizar uma retrospectiva, mas abordar um recorte específico da obra da artista.

Recebemos, em nosso estúdio, a arquiteta Beatriz Falleiros. Ela é designer do MAM – São Paulo e a responsável pela expografia – conjunto de características espaciais que compõem o espaço físico da exposição – da mostra “Sinais/Signals” de Mira Schendel.

Essa foi sua primeira experiência no MAM e afirmou que:

“A grande vantagem de trabalhar no MAM foi poder trocar muito com o curador Paulo Venâncio. Mencionei o uso dos tecidos e ele achou que tinha tudo a ver. Fomos afinando os detalhes em poucas semanas.”

[topo]

PROCESSOS DOS DIRETORES

Para a criação das peças promocionais e documental das exposições convidamos o cineasta, diretor de fotografia e montador – Tiago Lage – para a exposição “Sinais/Signals” da Mira Schendel e o também cineasta e montador – Bruno Ribeiro – para a peças relacionadas com a exposição “Oito décadas de abstração informal”.

O diretor Tiago Lage realizou um processo de criação de imagens experimental, emulando o processo de Mira Schendel em suas criações. O resultado é parte do seu teaser para a exposição ‘Sinais/Signals’. Já o diretor Bruno Ribeiro trabalhou com imagens macro das obras da exposição e chamou uma parceira criativa, a diretora de som Marina Calvão, para assistí-lo no desenvolvimento de uma trilha sonora para o teaser da exposição “Oito décadas de abstração informal”. Ela trouxe diversas referências do jazz.

[topo]

ARTISTAS e COLABORADORES

[topo]

RE-INPIRAÇÕES

[topo]