mira, o que há para se ver

“Meus desenhos são feitos para serem vistos e não falados. A obra de arte tem de falar por si mesma.”

Mira Schendel fez parte de uma geração de artistas que desembarcou no Brasil fugindo da Segunda Guerra Mundial e que, definitivamente, tornou-se uma agente ativa e definidora da arte contemporânea brasileira.

Mira nasceu em Zurique, no ano de 1919 e chegou ao Brasil aos 30 anos. Fixando residência primeiro em Porto Alegre e posteriormente em São Paulo, sua primeira grande participação no cenário das artes se deu em 1951, na primeira Bienal Internacional de São Paulo, permitindo contato com experiências internacionais e a inserção na cena nacional.

Seus primeiros trabalhos são marcados por uma certa rigidez e alheamento, traços que estigmatizaram um certo hermetismo que perpassa toda a sua obra. Essa foi notadamente marcada por um vazio, pouco uso de contraste e um certo tom melancólico. Haroldo de Campos, amigo próximo de Mira, disse, em entrevista a Sônia Salzstein, que Mira “sentia aquilo que o Julio Cortázar chamava de ‘dificuldade de estar de todo’: ela se sentia meio exilada”.

Sem Título, 1954 Têmpera, gesso e madeira sobre madeira, c.i.e. 51 x 66 x 3,7 cm

A economia de elementos visuais faz com que sejam utilizados com precisão e impacto marcantes. Seu caráter hermético se tornou ainda mais efetiva pela rejeição da artista em contextualizar suas obras de caráter abstrato. A crença fundamental na obra como a forma única de compreensão da arte torna-se marcante em um meio onde, por vezes, o discurso do artista parece ser cada vez mais complementar a obra em si. Tratando-se de uma produção tão extensa e tão experimental, percebeu-se um incômodo latente do público com essa postura da artista.

“Sem Título”, da série “Objetos Gráficos” (1967) Óleo sobre papel-arroz montado entre placas de acrílico transparente e tinta plástica sobre o acrílico 97,5 X 97,5 cm

A própria artista se defende, ao afirmar que sua obra é autossuficiente e atribuindo qualquer tipo de significado a sua concretude, distanciando-se da conceituação comumente impostas à obras abstratas:

“uma matéria porosa que suga para baixo esse sujeito em pleno estado de imanência, o chão que não o deixa desprender-se em direção ao céu dos conceitos”.

Sem Título, 1965 óleo sobre papel arroz, c.i.d. 49 × 25 cm

As letras, que se pulverizam sobre a tela, parecem apontar para essa incapacidade da linguagem verbal dar conta de compreender as intenções artísticas e todo um universo sentimental que a habita e não pode ser posto em uma encadeamento padrão, mas somente em ebulição abstrata. A potência visual e plástica da letra é ressignificada através de seu isolamento e repetição.

Como Mira uma vez disse:

“Dou a maior importância que seja assim manual, que seja artesanal, que seja vivenciada, que saia assim da barriga. Deve brotar da barriga e não simplesmente da mão”

Sem Título [Toquinho], 1970 letraset sobre blocos de acrílico montados sobre placa de acrílico 50 x 56,5 x 1,4 cm

Saindo da barriga para a tela, Mira nos ensina que o exercício fundamental para compreender sua arte é o nosso próprio olhar sobre o que há para se ver.

“Talvez a opinião dos outros possa me ajudar a compreender melhor o que faço, pois até hoje, a arte para mim, é um grande mistério”.

A exposição Sinais/Signals apresenta uma extensa seleção de trabalhos de Mira Schendel e ocorre entre Janeiro e Abril de 2018 no MAM – São Paulo.

 

para saber mais:

COMPARTILHE

Generic selectors
Exatamente
Procurar Titulos
Procurar no Conteúdo
Procurar nos posts
Procurar nas Páginas

OUTRAS DO BLOG

Download Premium WordPress Themes Free
Download WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
Premium WordPress Themes Download
free download udemy paid course
download karbonn firmware
Download WordPress Themes Free
udemy course download free