humano abortado

Poema de Eduardo Gasparian Tkacz, inspirado pela leitura de Minima Moralia, de Theodor W. Adorno.

Engraçado como uma gramática é traiçoeira

Se reuniu em um congresso,

Com uma mercadoria,

Com uma individualidade,

E instaurou um pronome indicativo.

Depois desse fato, deu origem a um humano, ou melhor, o humano.

A mercadoria,

A identidade,

A gramatica.

Surgiu então, o Luís. Gosta dos Beatles, usa calças Levi`s, All Star vermelho e óculos Ray Ban quadrados.

E Ana. Odeia o Palmeiras, veste camiseta básica Hering, shorts Adidas e tênis Nike.

Luís veste aquilo que lhe traz identidade, assim como Ana.

Ana e Luís são diferentes.

São?

Ana e Luís acreditam que suas escolhas são totalmente originais, e que eles tem personalidades opostas.

Ana e Luís mal sabem que são a mesma coisa.

Acham que as vontades que tem são originais, únicas.

Coitados.

Antes, Ana e Luís agora, uma ana e um luís.

Duas mercadorias no canto de uma loja.

Não existe subjetividade.

Não existe identidade.

A mercadoria é a promessa da diferença.

O humano nasce morto, pronto para ser embrulhado e disposto na prateleira.

por Eduardo Gasparian Tkacz

Download Premium WordPress Themes Free
Download WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
Download WordPress Themes
free download udemy paid course
download samsung firmware
Download WordPress Themes
lynda course free download