disciplina e liberdade

Maio de 68 inaugurou um novo capítulo na história: a partir de um passado entendido como repressor e do questionamento do conceito de autoridade, decretamos: “É proibido proibir!”. Durante a movimentação de jovens no mundo todo, inclusive nos Estados Unidos e do lado de lá do Muro de Berlim, só uma coisa importava: liberdade.

Talvez estes jovens não tivessem realmente ideia de que o grito por liberdade que estavam dando era de um tamanho bem maior do que, individualmente, se queria fazer. Ainda assim, a represa de pensamento típico pós Segunda Guerra Mundial estava para ser rompida e, quando uma represa se rompe, o volume de água que aflui não corresponde ao que se espera de ideias de cabeças individuais. Particularidades existiam em cada país e encorpavam revoltas. Mas um ideal unia todos os jovens dos anos 60: nada de censura, nada de proibir, “é proibido proibir”. Das ruas de Paris para o planeta. 

Um dos legados dessa mudança de perspectiva e de alguns outros desdobramentos históricos é que, nos dias de hoje, limites muito claros são artigo raro. Em âmbitos que ultrapassam até mesmo as esferas culturais e políticas: a fluidez imiscuiu-se até mesmo na arte, campo que outrora já foi afetado por ditames e proibições. Pense em Chico Buarque compondo Roda Viva dentro da necessidade de ter sua letra aprovada por um censor da ditadura militar e nos diversos trocadilhos e figuras de linguagem aos quais os compositor recorreu para transmitir sua mensagem dentro de imposições vigentes.

E que maravilhoso é viver em tempos onde não existe pré-aprovação para o que dizemos e como nos expressamos, no qual temos os mais variados suportes para isso, as mais diversas formas de trocar e acessar informação, de nos comunicarmos e mostrarmos ao mundo – ainda que através de nossas telas luminosas – qualquer esforço de realização artística ou de expressão pessoal. Mesmo assim, nunca se discutiu tanto o papel e a relevância da arte. Instalações artísticas e performances ainda suscitam suspeitas e questionamentos sobre sua relevância e capacidade de dialogar com nossa realidade material e espiritual. Alguns, mais saudosistas, falam até da derrocada de preceitos estéticos outrora consagrados.

Dois mil e dezesseis: a ditadura acabou e proibição é coisa démodé.

A verdade é que liberdade pode ser uma prisão para o artista. Em uma situação onde os limites inexistem e qualquer cenário imaginável é permitido (permitido, não possível…), existe um grande risco de perder horizontes e diretrizes de realização. Perder-se em possibilidades. Onde tudo é possível, por onde começar?! A ausência de fatores limitantes pode ser um dos maiores empecilhos para a criação artística. De tal forma que a liberdade, outrora um sonho utópico, pode ter se convertido em fardo para quem aspira expressar-se artisticamente nos tempos atuais.

A primeira onda do ATRAVÉS foi um experimento muito revelador nesse sentido. Convidamos artistas para realizar seus respectivos fazeres artísticos da forma mais livre o possível: a partir de um pedido (“estoure estes balões”, “faça uma obra de arte a partir destes resíduos”, “escreva um poema sobre o que você sentiu aqui”), diga-nos o que você precisa para realizar sua obra (computador? hd externo? tintas acrílico? uma cadeira de barbeiro?) e o espaço é seu. A única imposição: realize a obra aqui dentro. O resto é com você. A forma como cada artista convidado lidou com a inexistência de limites foi variada e muito esclarecedora: alguns sentiram-se desconfortáveis e travaram diante do branco absoluto; outros alçaram o voo no nada. E a partir dele, voaram longe.

Não se trata de pedir a volta de qualquer forma de censura cultural e artística. Mas sim de refletir e fazer algumas perguntas importantes a respeito daquilo que estamos produzindo. Como aspirantes a artistas e realizadores, será que o que estamos fazendo destina-se a derrotar nossa própria morte, perpassar o tempo e dialogar com o futuro (e o passado!), como sonhavam os antigos? Ou é feito para durar o tempo exato de sua realização, como um espetáculo auto contido em si?

Conhecer, afinal, não se trata de ter todas as respostas, mas de desenvolver a capacidade de fazer perguntas cada vez melhores.

Generic selectors
Exatamente
Procurar Titulos
Procurar no Conteúdo
Procurar nos posts
Procurar nas Páginas
Filtro por Categorias
Adestrador
Advocacia
Ambientalismo
Animação
Antropologia
Arquitetura
Arte Urbana
Artes Plásticas
Artistas
Biblioteconomia
Cenografia
Colaboradores
Coreografia
Curadoria
Curta-metragem
Dança
Desenho
Design Gráfico
Digital
Documentário
Dramaturgia
Editor
Empreendedorismo
Escultura
Exposição
Figurino
Filosofia
Fotografia
Galeria
Games
Gastronomia
Iluminação
Ilustração
Improvisação
Inspirações
Instalação
Intervenção Urbana
Jornalismo
Lettering
Literatura
Longa-metragem
Maquiagem
Marcenaria
Materiais
Moda
Modelo
Museu
Música
Palestras
Parceiros
Pedagogia
Performance
Pesquisa
Pintura
Poesia
Política
Processo Criativo
Produção
Projeção Mapeada
Psicologia
Psiquiatria
Publicidade
Saúde
Série
Sociologia
talentos
Tape Art
Tatuagem
Técnicas
Teologia
Terapia
Time
Video Arte

OUTROS TEXTOS DE MARIE

COMPARTILHE