destroem com fogo

O senso comum diz que uma sociedade precisa conhecer sua história para poder construir seu futuro.

Essa máxima, tão difundida que já parecia inteiramente aceita pelo entendimento social, vem sendo constantemente abalada e colocada à prova nos últimos meses brasileiros. A cultura, a ciência, a dignidade: Nada está a salvo das chamas vorazes que varrem o país.

Se antes as labaredas pareciam espontâneas, consumindo por necessidade de sobrevivência, hoje a impressão que temos é que fazem parte de um projeto. A arquitetura da destruição tupiniquim atropela minorias, instituições e, mais recentemente, nossa história.

O incêndio que consumiu totalmente o Museu Nacional do Rio de Janeiro praticamente exterminou 200 anos de trabalho e milênios da nossa história como nação, como unidade nacional em seu sentido mais elementar. Objetos que cruzaram eras geológicas se perderam entre as cinzas e os escombros do nosso descaso.

O sentimento de falha para com nosso dever de preservação é generalizado. Não é somente o acervo se perde, mas parte de um projeto de país, um Brasil que se construiria através da educação, do estímulo a imaginação e do desenvolvimento da ciência. Um país menos obscuro e mais iluminado.

Nós, do ATRAVES\\, acreditamos que o registro e preservação da memória são elementos básicos e essenciais no exercício democrático. No momento, celebramos os setenta anos do MAM – São Paulo e escavamos seus arquivos para contar uma história tão rica quanto humana. A perspectiva de ver todo um acervo coletado ao longo de dois séculos ser perdido é simplesmente apavorante e desesperador.

Foto: FABIO MOTTA/ESTADÃO

Posta a tragédia, resta saber o que virá adiante. Não se engane, a reconstrução é uma promessa inócua. O luto é real pois não há volta, não há reforma capaz de corrigir a destruição que causamos enquanto sociedade. Esse é o preço a se pagar pela nossa irresponsabilidade, mas ao olhar para frente, cabe a nós reconhecermos as ameaças à democracia e ao desenvolvimento humano e igualitário.

E não deixarmos ser engolidos pelo fogo, pois também a água está em falta.

para saber mais:

COMPARTILHE

OUTRAS DO BLOG