7 documentários inspiradores sobre processos criativos

Registrar processos criativos é capaz de inspirar.

Essa crença fundamental é o que move o ATRAVES\\. A possibilidade de observar um artista em sua batalha constante para tornar possível criar sua visão subjetiva em uma realidade é capaz de impulsionar um profundo impacto. Selecionamos 7 documentários que registram o trabalho de grandes artistas, seu modo de ver o mundo e de criar o seu próprio.

1. “A Vida Não Basta” (2013), de Caio Tozzi, Pedro Ferrarini

“A arte existe porque a vida não basta”. A frase de Ferreira Gullar é a grande inspiração para o documentário “A vida não basta”, que reúne nove renomados artistas para dialogarem sobre a importância do fazer arte na vida. O filme conta com a participação da atriz Denise Fraga, do escritor Milton Hatoum, do estilista Ronaldo Fraga, da cineasta Laís Bodanzky, dos quadrinistas Gabriel Bá e Fábio Moon, do dramaturgo Leonardo Moreira, do cantor Toquinho, além da participação especial do próprio Ferreira Gullar.

2. “David Lynch: A Vida de um Artista” (2016), de Jon Nguyen

Da sua criação idílica em uma pequena cidade no interior dos Estados Unidos até as sombrias ruas da Filadélfia, acompanhamos David Lynch pelos acontecimentos que moldaram o seu enigmático cinema. O documentário infunde o cineasta em sua própria arte, sua música e seus primeiros filmes, lançando luz nos cantos escuros de seu universo, dando ao público uma melhor compreensão do cultuado diretor enquanto homem e artista.

3. “O Sal da Terra” (2014), de Wim Wenders

Nos últimos 40 anos, o fotógrafo Sebastião Salgado tem viajado através dos continentes, aos passos de uma humanidade sempre em mutação. Ele testemunhou alguns dos principais eventos da nossa história recente; conflitos internacionais, a fome e o êxodo. Ele agora embarca na descoberta de territórios imaculados, da flora e da fauna selvagem e de paisagens grandiosas como parte de um enorme projeto fotográfico. Uma homenagem à beleza do planeta. Vida e obra de Sebastião Salgado são reveladas a nós por seu filho, Juliano, e pelo renomado diretor Wim Wenders.

4. “Por um Triz” (2017), de Eduardo Zunza

O documentário acompanha o processo criativo do Grupo Corpo na construção do espetáculo Triz, lançado em 2013. Os olhares dos bastidores, o dia a dia dos bailarinos e os desafios da equipe são mostrados intensamente ao longo dos últimos meses de ensaios antes da estreia.

5. “Abstract: The Art of Design”

A série original Netflix, Abstract: The Art of Design, é uma viagem através de processo criativo de oito dos pensadores mais criativos e atuantes no mercado da arte e do design. Cada um dos 8 episódios foca em um artista:

Episódio 1 – Cristoph Niemann – Ilustrador  
Episódio 2 – Tinker Hatfield – Designer da Nike 
Episódio 3 – Es Devlin – Cenógrafa 
Episódio 4 – Paula Scher- Designer Gráfica
Episódio 5 – Bjarke Ingels- Arquiteto
Episódio 6 – Ralph Gilles- Designer de Automóveis
Episódio 7 – Platon – Fotógrafo
Episódio 8 – Ilse Crawford – Designer de interiores

Nos oito capítulos da primeira temporada podemos conhecer, além do trabalho dessas grandes mentes criativas, como seus projetos inovadores afetaram profundamente nossas vidas diárias.

6. “Olho Nu” (2014), de Joel Pizzini

A vida-obra de Ney Matogrosso, retratada a partir do conjunto de imagens e sons que o artista reuniu até hoje em sua casa e existentes em arquivos públicos, em contraponto com as performances atuais.Trata-se de um espetáculo-síntese de seu percurso musical que na montagem do filme evoca cenas e situações da história de Ney Matogrosso nos palcos e na sua vida cotidiana. Evitando o tom nostálgico e reverente, Olho Nu busca a dimensão humana e sensível de um personagem cuja história se confunde com a melhor tradição do cancioneiro latino-americano. Como o próprio nome sugere, o filme ousa desnudar o homem por trás da fama, sondando assim as motivações de sua arte, o senso crítico, o caráter libertário e o ideário político que permeia o repertório de Ney, pautado sempre pela coerência e qualidade estética.

7. “Ai Weiwei: Sem Perdão” (2012), de Alison Klayman

Ai Weiwei é um famoso artista internacional da China e também seu crítico mais expressivo. Como perseguição, teve seu blog cancelado e seu estúdio destruído, foi espancado e preso clandestinamente. “Ai Weiwei: Sem perdão” é a história, vista de perto, de um dissidente da era digital que inspira o público e confunde os limites entre arte e política global. A diretora estreante Alison Klayman teve acesso, sem precedentes, a Ai enquanto trabalhava como jornalista na China. Seu retrato detalhado fornece uma exploração diferenciada da China contemporânea e uma de suas figuras públicas mais contundentes.

Exatamente
Procurar Titulos
Procurar no Conteúdo
Procurar nos posts
Procurar nas Páginas
Filtro por Categorias
Adestrador
Advocacia
Ambientalismo
Animação
Antropologia
Arquitetura
Arte Urbana
Artes Plásticas
Artistas
Biblioteconomia
Cenografia
Colaboradores
Coreografia
Curadoria
Curta-metragem
Dança
Desenho
Design Gráfico
Digital
Documentário
Dramaturgia
Editor
Empreendedorismo
Escultura
Exposição
Figurino
Filosofia
Fotografia
Galeria
Games
Gastronomia
Iluminação
Ilustração
Improvisação
Inspirações
Instalação
Intervenção Urbana
Jornalismo
Lettering
Literatura
Longa-metragem
Maquiagem
Marcenaria
Materiais
Moda
Modelo
Museu
Música
Palestras
Parceiros
Pedagogia
Performance
Pesquisa
Pintura
Poesia
Política
Processo Criativo
Produção
Projeção Mapeada
Psicologia
Psiquiatria
Publicidade
Saúde
Série
Sociologia
talentos
Tape Art
Tatuagem
Técnicas
Teologia
Terapia
Time
Video Arte

OUTRAS DO BLOG